quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Ao menos uma vez

Quem me dera,
ao menos uma vez

Ter de volta todo o ouro que entreguei
A quem conseguiu me convencer
Que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano-de-chão
De linho nobre e pura seda.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Explicar o que ninguém consegue entender:
Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
E fala demais, por não ter nada a dizer
Quem me dera, ao menos uma vez,
Que o mais simples fosse visto como o mais importante,
Mas nos deram espelhos
E vimos uma mundo doente.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três
E esse mesmo Deus foi morto por vocês
É só maldade então, deixar um Deus tão triste.
Eu quis o perigo e até sangrei sozinho.
Entenda - assim pude trazer você de volta para mim,
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim
E é só você que tem a cura do meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Está em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado.
Quem me dera, ao menos uma vez,
Como a mais bela tribo, dos mais belos índios,
Não ser atacado por ser inocente.
Eu quis o perigo e até sangrei sozinho,
Entenda - assim pude trazer você de volta para mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim
E é só você que tem a cura do meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.
Nos deram espelhos e vimos um mundo doente -

Tentei chorar e não consegui

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

A Dança/ Soneto XVII


Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio


ou flecha de cravos que propagam o fogo:

amo-te como se amam certas coisas obscuras,

secretamente, entre a sombra e a alma. 




Te amo como a planta que não floresce e leva

dentro de si, oculta a luz daquelas flores, 

e graças a teu amor vive escuro em meu corpo

o apertado aroma que ascendeu da terra.



Te amo sem saber como, nem quando, nem onde, 

te amo diretamente sem problemas nem orgulho:

assim te amo porque não sei amar de outra maneira, 




senão assim deste modo em que não sou nem és

tão perto que tua mão sobre meu peito é minha

tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Ah você!!


Gosto muito de você!
Gosto do seu sorriso marcante,
Gosto dos seus olhos penetrantes 
Gosto do jeito que me atrai para você!
Não gosto quando me deixas... 
Impossível esquecer você, e deixa-lo sozinho 
Mas você sabe se defender sozinho
Mas quer sempre uma companhia 
Nem que seja só pra abraçar 
Ou ficar ao seu lado 
Hora calado 
Hora a falar 
Gosto da sua proteção
Não me sinto sufocada nunca
Você me faz bem ao coração 
E por hora 
Já ta bom 
Sei que também gosta de mim 
E que continue assim 
Cada vez mais forte 
Você seja minha paixão e eu seja a sua


Mesmo que não quiséssemos nosso amor é eterno. (AA)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Temporal

O amor que pulsa em mim vem de ti 
Das tuas palavras e presença
E a calma que me traz a felicidade exata
Vem do teu espírito que me transporta
Para longe desse orbita triste
E sei quando se vai sinto o gelo
E na boca o gosto insano de somente eu

Agora vêm meses que não me entendem
Vejo-te ir e assim deve ser
E mesmo que meus olhos tentam te tragar
Para dentro de mim
Inconscientemente tu desobedeces
Pois és tu a minha fuga, o refúgio
Protejo-me de fantasmas e inimigos
Todavia, a necessária calma, só encontro em ti

Provo uma porção exagerada de estranheza da vida
Sinto viver histórias que não escrevo
Não vejo sentido em mim
Não sou homem de lágrimas que se externam
Mas longe de ti, dentro de mim

Um temporal se faz...

De: Rodrigo Lisboa

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Esta Hora Amanhã

Comecei a escrever
E eu tentei, me esforcei, mas já não sei o que dizer
Não...
Que palavras vou usar,
Que notas vou tocar ou que canção devo cantar

Ieh Ieh
A noite já caiu e eu só penso no amanhecer
Nos momentos que estarei aí bem perto de você
E eu não sei quem inventou essa distância
Não...
Nunca amou

Eu queria tanto e sonho tanto no instante em que te verei mais uma vez
O quanto andei e procurei, mas eu achei alguém como você
E agradeço ao meu bom Deus pelo tempo que passou
Mas não sei onde estarei
Esta hora amanhã

Muitas coisas pra contar
São histórias infindáveis, poesias que encontro em um olhar
De mãos dadas eu queria estar, mas escolhi não escolher
Não...
E me entreguei nas mãos de Deus
Ele nos uniu e até aqui nos ajudou o Senhor
E olhando as estrelas, eu encontrei aquela que eu te dei
E ali mesmo eu sonhei com a primeira vez que eu te olhei
Você estava ali sorrindo, ali sentindo e me ouvindo

E agradeço ao meu bom Deus
Pelo tempo que passou
Mas não sei onde estarei

Esta hora amanhã (3x)

Estarei a caminho dos seus braços
Não importa a distância
Eu sei o quanto andei e procurei, mas Deus me deu alguém como você

Em seus braços vou estar e é ali que vou ficar
E eu me lembro em meus sonhos de criança em que eu te via

E agradeço ao meu bom Deus
Pelo tempo que passou
E agora eu sei, onde eu estarei

Esta hora amanhã (2x)

Estarei com você



De: André e Tiago Arrais

terça-feira, 17 de maio de 2016

Quando te vi amei-te já muito antes.

E eu soube-o só depois, quando te vi, 

E tive para mim melhor sentido, 

E o meu passado foi como uma 'strada 

Iluminada pela frente, quando 

O carro com lanternas vira a curva 

Do caminho e já a noite é tôda humana. 
Quando eu era pequena, sinto que eu 

Amava-te já longe, mas de longe... 


Amor, diz qualquer cousa que eu te sinta! 

-Compreendo-te tanto que não sinto, 

Oh coração exterior ao meu! 

Fatalidade, filha do destino 

E das leis que há no fundo dêste mundo! 

Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto 

De o sentir...? 

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Quando te vi amei-te já muito antes.

Quando te vi amei-te já muito antes. 

Tornei a achar-te quando te encontrei. 

Nasci pra ti antes de haver o mundo. 

Não há cousa feliz ou hora alegre 

Que eu tenha tido pela vida fora, 

Que o não fôsse porque te previa, 

Porque dormias nela tu futuro. 

Licença Poética

Que nossa saudade
Seja licença poética
Assim como meus erros de português
Que seja errado
Estarmos longe
Tanto quanto as vírgulas
Que coloco em lugares errados
Que não haja nenhuma dúvida do nosso futuro
Como as minhas dúvidas
De onde vai à crase 
Que nosso tempo seja certo
Mesmo quando o verbal errado
E que seja na primeira pessoa do plural
Porque nós
É melhor que eu
Que saibamos o que fazer de nós
E não fiquemos sem saber
Se é com S ou Ç
Que não tenhamos ponto final
Porque é difícil finalizar um texto
Que a gente se entenda em línguas
Toques
Corpos 
E olhares
Porque, meu bem
Se o português é traiçoeiro
O amor é mais

(Mariana Carvalho)

quinta-feira, 5 de maio de 2016

[É TÃO GENTIL E TÃO HONESTO O AR]



É tão gentil e tão honesto o ar 
de minha Dama, quando alguém saúda, 
que toda boca vai ficando muda 
e os olhos não se afoitam de a fitar. 

Ela assim vai sentindo-se louvar 
na piedosa humildade em que se escuda, 
qual fosse um anjo que dos céus se muda 
para uma prova dos milagres dar. 

Tão afável se mostra a quem a mira 
que o olhar infunde ao coração dulçores 
que só não sente quem jamais olhou-a. 

E quando fala, dos seus lábios voa 
Uma aura suave, trescalando amores, 
que dentro d'alma vai dizer: "Suspira!" 
O tempo passa e o homem não percebe.
Dante Alighieri
Vês que a razão, seguindo o caminho
 indicado pelos sentimentos, 
tem asas curtas. 

Poeta Italiano

Muito pouco ama, quem com palavras 
pode expressar quanto muito ama. 

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Meu amor

O meu amor tem um jeito manso que é só seu, 
que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
com tantos segredos lindos e indecentes... 
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo, e me crava os dentes. 
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz. 
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Primeira Vez

Queria que você estivesse aqui agora, 
ao meu lado, para encher te de beijos e abraços, 
te fazer sorrir e te amar todos os dias, como se fosse
a primeira vez...

FOGO

Poe fogo no que resta da minha embarcação 
para eu não ser tentada a abandonar a missão!

Calma e tranquila

O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute 
de maneira calma e tranquila. 
Em silêncio. Sem dar conselhos. 
Sem que digam: "Se eu fosse você".
 A gente ama não é a pessoa que fala bonito. 
É a pessoa que escuta bonito. 
A fala só é bonita quando ela nasce 
de uma longa e silenciosa escuta. 
É na escuta que o amor começa. 
E é na não-escuta que ele termina. 
Não aprendi isso nos livros.
Aprendi prestando atenção.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Mora a saudade

Toda separação é triste.
Ela guarda memória de tempos felizes 
(ou de tempos que poderiam ter sido felizes....) 
e nela mora a saudade.

A alma é...




A alma é uma borboleta...
Há um instante em que uma voz nos diz que 
chegou o momento de uma grande metamorfose...



Quero desaprender

Eu quero desaprender para aprender de novo.
Raspar as tintas com que me pintaram.
Desencaixotar emoções, recuperar sentidos.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

DUPLAS MAGIAS…

Uma dupla sertaneja,
a pureza das raízes,
vozes que cantam afinadas,
embalam o coração e a alma,
na mais linda magia.

O que seria…
do sol sem a lua,
da minha vida sem a sua,
tudo seria tao triste
porque os frutos tão doces…
são sempre feitos a dois.

O que seria…
da Maria sem o João,
do arroz sem o feijão,
do amor sem o coração,
são partes que se completam…
na mais bonita sedução.

Tal como o antes e o depois…
assim são o passado e o presente,
mexem com a vida da gente,
nos preparam para o mundo
e nos levam pra bem longe…
sempre em direção ao futuro.

Não existe o dia sem a noite,
a dor sem o açoite,
a paz sem a doação
e tudo vira solidão
por que uma andorinha só…
nunca faz verão.

Duplas magias…
onde os polos se atraem,
se eternizam e se completam,
tal como o céu e o horizonte,
tal como a água e a fonte…
e se tornam um só.
O que seria…
se nada disso existisse,
uma ilha ou coisa assim,
talvez tudo fosse mais triste,
porque e impossível imaginar…
eu sem você!

terça-feira, 19 de abril de 2016

Bilhete

Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim
Se me queres
enfim
tem de ser bem devagarinho, amada
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Amo-te

Amo-te quanto em largo, alto e profundo
Minha alma alcança quando transportada
Sente, alongando os olhos deste mundo
Os fins do ser, a graça sonhada

Amo-te a cada dia, hora e segundo
A luz do sol na noite sossegada
E é tão pura a paixão de que me inundo
Quanto o pudor dos que não pedem nada

Amo-te com a dor das velhas penas
Com sorrisos, com lágrimas de prece
E a fé de minha infância, ingênua e forte

Amo-te até nas coisas mais pequenas 
Por toda vida, se assim Deus o quiser
Ainda mais te amarei depois da morte.

domingo, 17 de abril de 2016

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo
Não precisas ser amante
E nem sempre sabes sê-lo
Eu te amo porque te amo
Amor é estado de graça
E com amor não se paga


Amor é dado de graça

É semeado no vento
Na cachoeira, no eclipse
Amor foge a dicionários
E a regulamentos vários
. Eu te amo porque não amo
Bastante ou demais a mim
Porque amor não se troca
Não se conjuga nem se ama
Porque amor é amor a nada
Feliz e forte em si mesmo


Amor é primo da morte

E da morte vencedor
Por mais que o matem (e matam)
A cada instante de amor